CAIRO Khan al-Khalili e Seus Arredores

A VIDA É UM BAZAR                             எ வித உம பசர்   

Para conhecer o Cairo islâmico é necessário que se conheça primeiro o bazar medieval Khan al-Khalili. "KHAN"quer dizer "lugar" e "EL KHALILI" é o nome de quem dava repouso às caravanas de comércio que ali chegavam, os famosos caravanserai.

O mercado esgoelou para fora e agora está espalhado pelos arredores, onde se vendem de souvenires a especiarias. No coração do Cairo, ele fervilha de gente até horas. Os Egípcios são exímios vendedores e se mostram pessoas muito alegres e divertidas, sempre soltando uma piadinha - quantos camelos vale essa menina? Veja o registro, de duas tardes, desse sedutor entreposto da humanidade.
    
Al-Khalili e os seus arredores são as áreas de compras mais importantes da cidade. É mais que isso, representa a tradição que converteu a Cairo em um centro importante de comercio.

Sem dúvida, um lugar dos mais exóticos e que caracteriza de forma completa o Egito de ontem e de hoje.

Construído em 1382, hoje continua sendo agual aos bazares das lendas, onde objetos de ouro, prata, latão e cobre cintilam sedutoramente como se estivesse numa caverna.

O comércio está por toda parte nas ruas que levam às portas da velha cidade.

O bom é ficar perdido entre as centenas de lojas, cada uma com sua especialidade.

Entregador passa na Al-Muizz li-Din Allahdo.

Este mercado tradicional remete a uma atmosfera medieval devido a disposição do labirinto de suas ruas.

Pães frescos oferecidos nas ruas por ambulantes.

Entregador passa ao lado da mesquita de al-Ashraf Barsbey.

Na rua movimentada Sharia Muski os cairotas vendem comidas exóticas, como o Koshary.

Salim Sayyid, dono de um bazar localizado próximo a um dos dois portões medieval do mercado.

Um bom chá estará sempre esperando por você nas ruas ou cafés.

Trabalhador do cobre na porta do velho mercado.

Cena na Sharia Al-Muski, uma das vias que corta a grande bazar.

Instrumentos musicais, máquinas de costura, gatos, cadeiras. Tudo exposto nas vias do antigo caravanserai.
  
Nadhir, vendedor de jornais no mercado, há mais de cinquenta anos.

Artesão preparando os produtos de venda, nos fundos de uma loja.

Daria pra encontrar o lugar só pelo cheiro das especiarias, essências e comidas.

Geralmente os artesões fazem os seus produtos nos fundos das lojas do mercado.

Flagra de um apressado entregador na Al-Muizz li-Din Allah.

Al-Muizz li-Din Allah, durante séculos esta via foi a principal artéria da cidade do Cairo.

Sapateiro mirim que circula as ruelas do mercado, implorando obstinamente por um bom engraxate. Acabei seduzido por Abdul-Hakim, uma figura conhecida e querida dos mercadores do bazar Khan al-Khalili.

A miséria está estampada pelas ruas do Cairo e do mercado. Como entender um país de uma cultura milenar com a metade de sua população na linha de pobreza?

6 comentários:

Anônimo disse...

Bela viagem muito além do beco.
augustolula

maninho1967@hotmail.com disse...

As fotos falam por si, parabéns pelos formidáveis ângulos.

Luciano Rock disse...

Como entender meu amigo, é fácil:
o sistema domina pelas falsas idéias de progresso, convence mesmo os povos mais firmes, então precisa de uma grande parcela dessa massa na miséria para sustentar uma pequena parte de milionários... todos sabem disso, mas as vezes esquecemos. muitas coisas mudaram, mas o sistema mantem seu pricípio elementar: 9 na miséria para 1 desperdiçar caviar.
parabens pelas belas fotos Hugo Macedo

Maria Cristina disse...

Belíssimas fotos, Hugo!

sergioalmeidafoto disse...

Grande, HUGO meus parabéns belissimo trabalho e com uma historia bem contada, fotos com enredo ,belo trabalho

sergio almeida

A++LINDA GORDINHA disse...

Obrigada Hugo por me proporcionar, tamanha gentileza e além de tudo poder conhecer através das suas lentes as belezas e misérias do Cairo, onde as novelas e filmes retratam apenas as belezas, Muito obrigada.

Célia Gomes